Category Archives: Musicas

Home / Archive by category "Musicas" ()

EXPOSIÇÕES – Smetak Imprevisto. Instruir + Mentes = InstruMentos

Está em cartaz no MAM-SP a exposição Smetak Imprevisto do artista plástico e músico suíço radicado na Bahia por 30 anos, Anton Walter Smetak (1913-1984).

Smetak Imprevisto expõe instrumentos musicais de luthieira que se combinam cabaças, bambu, tubos de PVC, isopor e outros materiais recicláveis, um conjunto que resulta no que o artista batizou de “plásticas sonoras”.

A exposição é interativa e está montada em formato multimídia, ou seja, vários elementos áudio-visuais interagem com o visitante, além da liberdade de experimentação com instrumentos da exposição. As legendas de cada obra são as explicações deixadas por escrito pelo próprio artista, o que permite que o público possa compreender mais do pensamento de um dos músicos mais inventivos de seu tempo, que influenciou movimentos como o tropicalismo e deixou seguidores até os dias de hoje.

Os instrumentos são exibidos em três grupos:

M2005
Os instrumentos deste nicho são exibidos em uma formação que reproduz o som de cada um deles à medida que vão sendo iluminados um a um, para que o público possa distinguir de qual vem o som. Ao final, todos eles se juntam para reproduzir um registro sonoro deixado pelo artista de uma partitura de sua autoria chamada de M2005.

Luthieria clássica experimental
São peças criadas à semelhança de instrumentos clássicos, como o violino (fidle), violoncelo (violoncelo cristal), violão (violão aeólico, para ser tocado pelo vento), viola de gambá (gambus orientalis) e guitarra (bicéfalo, uma guitarra de dois braços que se entrecruzam, homenagem a Gilberto Gil, então um de seus discípulos). Os Choris, instrumentos de corda feitos de materiais orgânicos, como cocos, cabaças e troncos, também foram originados na pesquisa em luthieria e produzem um som que Smetak acreditava reproduzir algo em entre o choro e o riso, portanto: Cho-ri.

Plástica sonora
Obras com forte apelo visual, criados com uma preocupação estética ligada à filosofia professada por Smetak, na qual cada cor e cada forma geométrica utilizada tem um significado específico. O som produzido por algumas destas plásticas sonoras poderão ser ouvidos por meio de um sistema ativado pela presença do visitante.

 
SERVIÇO
Exposição “Smetak Imprevisto” – Grande Sala
Curadoria:
Jasmin Pinho e Arto Lindsay
Concepção: Casa Redonda
Visitação: 10 de outubro a 21 de dezembro de 2008
Local: MAM-SP
Endereço: Parque do Ibirapuera – Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº, portão 3
Telefone: (11) 5085-1300
Horários: De terça à domingo e feriados, das 10h às 18h
Ingresso: R$ 5,50

Sócios do MAM, crianças até 10 anos e adultos com mais de 65 anos não pagam entrada.

Aos domingos, a entrada é franca

Fonte: <http://www.mam.org.br/2008/_uploads/boletim/boletim_4_0_nor.pdf>. Acessado em 28 out. 2008.

Nação Porto Rico (estudo das Nações)

Com o fim do segundo turno das eleições voltamos as nossas atividades normais, dia 1 de Novembro será um dia livre, então vamos tocar toadas de várias Nações, as nossas e quem sabe até alguma toada nova, como a previsão do tempo é para chuva a tarde (espero que esteja errada!), não vamos descartar a possibilidade de fazer um Coco de roda. Ou seja, faça chuva ou faça sol podem vir que a brincadeira esta garantida.

Já a partir do dia 8 daremos seqüência ao estudo das Nações, estudando a Nação Porto Rico, então dêem uma boa vasculhada no Blog do Porto Rico que tem vídeos, loas e músicas para serem baixadas, histórico da Nação e muito mais. Este ciclo vai durar 4 fins de semana e logo no segundo, dia 15 de Novembro, teremos a Sessão Caldinho de Feijão, com vídeo sobre o Porto Rico.

Visita do Mestre Shacon ao Alves Cruz em 2008

Visita do Mestre Shacon ao Bloco de Pedra este ano. Fotos do Ernani Baraldi, parte do projeto Fotografo Urbano.

Samba de Coco nos dias de chuva

Sábado chuvoso em São Paulo, gente aflita, quando chove não tem Maracatu. Mesmo assim mais de 100 pessoas esperançosas permaneceram no Alves Cruz até as 16hrs quando o Guga apitou, foi até o microfone e disse que tinha alguns informes e duas propostas de atividade. Falou brevemente sobre a apresentação no dia seguinte e disse que poderíamos fazer um papo sobre Maracatu ou cantar nossas toadas para entender erros e ir decorando as coisas que não sabíamos, foi quando uma voz bendita (acho que a do Jota) se sobrepôs ao murmurinho: “… ou então poderíamos fazer um Coco!”. As pessoas se agitaram, o Jesum que entende do assunto montou logo o time de batuqueiros, todos começaram a bater palmas e a primeira toada dizia: “… a sandália ta pesada, o tem barro tem, a sandália ta pesada, o tem barro lá… eu sou Coqueiro eu sou bicho cantador, eu sempre batuco Coco seja o tempo que for…”. E assim foi até pouco depois das 17hrs quando ainda tinha gente pedindo bis.
Pena que um monte de gente foi embora antes das quatro! Pra quem foi embora fica o aviso e pra quem ficou o agradecimento pela tarde em que relembramos a velha máxima: ” faça chuva ou faça sol, todos os sábados estamos aqui”.

OUÇA AS TOADAS!

OLÁ QUERIDOS!! DEPOIS DE MUITOOOOOOOOOO TEMPO TENTANDO EU FINALMENTE CONSEGUI COLOCAR AS TOADAS PARA TODOS OUVIREM AQUI NO BLOG!!!!

Bloco de Pedra:

Algumas Toadas foram reproduzidas pelo Bloco de Pedra read more…

FESTA JUNINA



Olá queridos batuqueiros!!!!!!! A festa junina e a apresentação no morro do querosene foram um sucesso!!!!PARABÉNS!!!

Atendendo a suplicas de alguns batuqueiros, em especial o Rodrigo, ai vai o link do blog p/ vcs baixarem os cds das nações.

http://www.batuquebrasileiro.blogspot.com/

Lembrando que a Chrisinha que toca no bloco é uma das organizadoras do blog batuques brasileiros, parabéns Chris!!!!É um trabalho maravilhoso!!!

bjs a todos

DOWNLOADS DE TOADAS

Quem tiver interesse em conhecer as loas (músicas) como da NAÇÃO PORTO RICO , ESTRELA BRILHANTE e outros,segue o link bacana com um ótimo acervo.

http://maracatu.org.br/audio/

bjs a todos!

TOADAS DO BLOCO DE PEDRA

Aqui estão algumas das toadas do bloco que ensaiamos recentemente.

Mãe África (Meu maracatu chegou) (Marcio Lozano)

Meu maracatu chegou

pra arrastar a multidão.

Tem a força do tambor,

feito prece e oração.

Meu maracatu chegou

com a força e o poder,

que Mãe África deixou

pra gente se entender.

Tem um baque que é forte,

que aponta o norte da nossa intenção,

tem o rumo da gente

soprado no apito do meu capitão.

Lá em casa (Marcio Lozano)

Lá em casa eu faço bombo

feito negro fez um dia,

pra replantar a semente,

dessa gente…Gente minha.

Lá em casa eu toco bombo

feito negro fez um dia,

pra replantar a semente,

dessa gente…Gente minha.

Lá em casa eu deixo a porta

sempre aberta, é só chegar!

Com humildade, respeito

e coragem pra ficar.

Lá em casa eu canto a história

que negro viveu um dia,

pra replantar a semente,

dessa gente…Gente minha.

Nossa bandeira (Marcio Lozano)

Vou subir nossa bandeira

no alto da antena pra mostrar,

onde fica nossa casa,

onde é nosso lugar.

De longe vai dar pra ver.

Bandeira!

Hasteada no topo do Ilê.

De longe vai dar pra ver.

Bandeira!

Lá no alto do Ilê.


Homenagem ao Shacon (Marcio Lozano)

Esse baque é lento

foi Shacon que ensinou,

é chamado baque das ondas,

assim ele chamou.

Esse baque vem de além mar

foi trazido por Nação Nagô.

Esse baque é de Orixá,

é toque de tambor.

Deixa o tambor ecoar

se espalhar na imensidão,

que esse toque é pra lembrar

a força da tradição.

Menina da saia rodada (Vinicius Pereira)

Menina da saia rodada

balança que eu quero ver,

essa tarde eu bato bombo…

Forte! Só pra te ver.

* OBS. Na primeira versão era “Morena da saia rodada”

Com licença o de casa (Vinicius Pereira)

Com licença o de casa,

pro meu baque aqui passar.

Passou… passou…

Passa o meu baque virado!

Meu pai com calma (Roberta)

Meu pai com calma

apagou o pito,

pegou o apito

e chamou o abê.

Gonguê e caixa

sustenta a toada,

pra Alfaia ‘moê’.

Mas olha só quem chegou,

foi preto velho quem chamou,

o menina vem pra cá

pro Maracatu vem batucar.

Vem subindo a ladeira (Marcio Lozano)

Vem subindo a ladeira vem lá,

Vem subindo a ladeira vem lá,

Olha o Bloco de Pedra vem quem quer chegar!

Olha o Bloco de Pedra vem quem quer chegar!

Chegô, chegô,

Chego de lá, vai ter tambor oi cabimda pra gente brincar!

Chegô, chegô,

Chego de lá, vai ter tambor oi cabimda pra gente brincar

TOADAS DO MARACATU NAÇÃO LEÃO COROADO

Todas as toadas são tocadas com o baque de Pitomba, tradicional baque do Leão Coroado

Oh! senhora do Rosário a sua casa cheira
cheira cravo, cheira rosa cheira a flor de laranjeira

Samba lêlê tá mutá ooh!
viemos de Luanda
oh! minha gente vem ver o Leão onde anda

Nessa casa diamante aonde o Leão entrou
palavra rei medalha medalha pro governador

olê olá negrada olha a linha
sustenta essa pisada nosso rei nossa rainha

lanceiro sentido somos de Minas Gerais
a licença foi tirada pelo barão de Caxangá

Esse maracatu foi fundado em 1863
codinome Leão Coroado passado e glorias nunca se desfez
é o maracatu mais antigo, pois nenhum museununca lhe acolheu
nós somos de nação germam semente africana Xangô pai nos deu

olha a costa veia
é nagô ifã
Leão Coroado é nação german

TOADAS DA NAÇÃO PORTO RICO

Oh! Eu sei, minha origem é Nagô,
É Nagô, é Nagô, é Nagô, é Nagô, é!
Oh! Eu sei, minha origem é Nagô,
Sei de onde vim, mas onde vou, senhor?

Onde estão nossas origens,
Que a história não registrou?
Onde estão nossos heróis da história,
E com passado de glória, com destemor?

Entre os grandes heróis, mostramos,
Que o líder maior, Zumbi.
Nunca foi o bicho mau da história,
Que muitas vezes na escola,
Com medo ouvi.

Viva treze de Maio,
“negro livre no Brasil”.
Mas ao bem da verdade,
Foi um “primeiro de abril”.

SE É BÀBÁ (XEU ÊPA BÀBÁ– Shacon Viana

Oxalá meu pai
Tenha pena de nós, tenha dó
Salve a Nação Porto Rico
Que seus poderes são maior

A Nação de Porto Rico
Vem trazendo todos os santos
Vamos homenagear
De Êxum a orixalá

Bate o agonguê, toque o ijexá,
Bate o agonguê, canta Xêuêpa Babá.

SALVE OS BATUQUEIROS – Shacon Viana

Bate o bombo no terreiro,
Chamando os filhos pra dançar.
Salve, salve os batuqueiros,
Porto Rico vai passar.

Da licença meu senhor,
Da licença minha senhora,
Da licença eu vou passar,
Que os trovão já vão embora.

Salve Deus minha Nação,
Que aqui se consagrou,
Salve o povo de Luanda,
Só um adeus que eu já me vou.

CANTO PRA XANGÔ OMULÚ– Shacon Viana

Surgiu um grito nas pedreiras,
“kawo, kawo, kabé, se ilê”,
bate o bombo na aldeia.
Chamando os filhos de fé.

Eu sou filho de Nanã,
Quem me chamou foi Yemanjá.
Porto Rico tem um baque,
Baque das ondas do mar.

BAQUE DAS ONDAS– Shacon Viana

O feitiço da bruxa de pano,
Boneca de cera vamos respeitar
Porto Rico que vem de Luanda,
Segure o baque das ondas do mar.

Salve Xanô nas pedreiras,
Oxósse na mata, Oxum na cachoeira.
Odó Mió! Yemanjá.
Segure o baque das ondas do mar.

Vem chegando Nanã e Omolú,
Ossain e as folhas, salve Obá!
A rainha que é Yansan,
Segure o baque das ondas do mar

É das ondas do mar (êo)
É das ondas do mar (e laia)
É das ondas do mar
Segure o baque das ondas do mar
Pout Pourri – Nas águas verdes do mar

Nas águas verdes do mar,
Vi um barquete bonito

Quando o farol deu sinal,
Eu avistei Porto Rico.

Se meu povo está em guerra
Yansan vem lê salvar
Salve o povo de Olorún
Êpahei! Chegou Oba!

Atotô a Omolú,
Pra curar todos feridos.
A Yêeu, mamãe Oxum,
Com seu canto e muito brilho.

É Ogum nosso guerreiro,
É Oxósse o caçador.
Esse é o baque de guerra,
Salve o povo de Olorún.

MEU BAQUE É LENTO

Meu baque é lento,
Vem das ondas do mar.
Vou levar flores,
Pra minha mãe, Yemanjá.

Toca o aljá pra Xangô,
Tca o Ijexá pra Oxalá.
Oxum é a Deusa do Ouro,
Princesa dos orixás.

NOITE DO DENDÊ– Shacon Viana

Chega meu povo, corre pra ver,
Nação Porto Rico e a noite do Dendê.

Em 1914, fiz a noite do Dendê,
Em 1914, fiz a noite do Dendê.

Tocando ilu pelo terreiro, só pra ver o chão tremer.
Tocando ilu pelo terreiro, só pra ver o chão tremer.

Vamos cantar minha gente,
Nessa noite eu quero ver.
De Exu a Orixalá,
Batendo baqueta, quebrando o Dendê.

ELIZABETH A RAINHA – Shacon Viana

Ela é a minha madrinha,
Elizabeth a rainha acabou de chegar.

Toque um egó, batuqueiro.
A que nesse terreiro, pra ela dançar.

É pra ela dançar, é pra ela dançar,
Toque um ego batuqueiro,
A que nesse terreiro pra ela dançar.

NAÇÃO GUERREIRA

Oh Porto Rico, Nação guerreira.
Nação verdadeira de muito valor.
Bate o bombo, manda uns trovão,
Porto Rico é de nação Nagô.

NO TOQUE DO MEU TAMBOR

Quando toco meu tambor,
Quando escuto o meu cantar.
É no reino de Ogum,
Que Porto Rico vai passar.

No toque do meu gongué,
No chiquichá dos meus agbês.
Tarol e caixa pra você,
Na marcação que eu quero ver.

“Porto Rico é de Nação Nagô”

TOADAS DA NAÇÃO ESTRELA BRILHANTE DE RECIFE

Nação Estrela Brilhante de Recife

1)
Cheguei meu povo, cheguei pra vadiar
Cheguei meu povo, cheguei pra vadiar

Sou eu a Nação Estrela
não prometo pra faltar

=============================

2)
Sou estrela do mar
Eu vivo a navegar
Eu sou!

Na ilusão do horizonte
Sou eu a estrela mais linda que há

=============================

3)
Olha a Costa Velha é Nagô Afã
Estrela Brilhante é Nação Germana

Vejo um quê na estela, tem um brilho sem igual
Uma luz tão fagueira ilumina a corte real

=============================

4)
Os tambores acariciam a noite
Sinhá Marivalda acordou
E o estandarte do Estrela chegou

Ôoo ôo ôoo

Bravos guerreiros que dançam com ira da dor
Luz nas escadarias do morro
O estandarte do Estrela chegou

Salve o rei, salve a rainha
do Morro da Conceição!

Eles descem o morro de branco
pra sambar maracatu

=============================

5)
Dança a rainha, vassalo e escravo
Todos os lanceiros e a corte real
Toque o batuque no baque virado
Dama de paço escute o compasso

Vem meu rei, embaixador e princesa também
Catirina olha o baque zuando
É o Estrela que já vem chegando

=============================

6)
Levante a bandeira que o mestre apitou
Com dama de paço o Estrela chegou

Chegou, chegou

Com baque parada e baque trovão
Com dama de paço escuta o refrão

=============================

7)
Quando os nossos tambores zoou
E a dama de paço girou
Meu estandarte brilhou
Porque sou Nação Nagô

Vem Nação Estrela Brilhante cantar
Bate forte os nossos tambores
Rufa a caixa, mineiro e ganzá
Joventina Erundina não deixa o tambor se calar

=============================

8)
Vovó falou e o Barão assinou
Vovó falou e o Barão assinou
Estrela Brilhante é Nação Nagô
Estrela Brilhante é Nação Nagô

Na marcação das alfaias
no tilintar do gonguê
no xiquexá das maracas
na marcação do agbê

=============================

9)
Toque o gonguê, balance o ganzá
É no baque virado que o Estrela vai passar

Cante sinhá, toque sinhô
Sou afro-africano e também Nação Nagô

=============================

10)
Mandei fazer uma casa com a janela voltada para mar
Para Dona Joventina, rainha de Portugal

Mandei fazer uma casa com a janela voltada para
Para Dona Erundina, rainha de Portugal

Quem foi que disse que o Estrela não saía?
O Estrela sai à rua com prazer e alegria!

Nesse beco escuro rodado a espinho (?)
Estrela Brilhante que vem no caminho!

=============================

11)

Foi na Virgem do Rosário
que os nossos tambores zoou

Zoou, zoou
Marivalda, a rainha, ela já se coroou

Canta minha nação, brilha o meu pavilhão
É no som dos tambores que Estrela é Nação Nagô

Canta toda nação, brilha o meu pavilhão
É no som dos tambores que Estrela é Nação Nagô

About Guardian

All the Lorem Ipsum generators on the Internet tend to repeat predefined an chunks as necessary, making this the first true generator on the Internet. All the Lorem Ipsum generators on the Internet tend to repeat predefined Lorem Ipsum as their default model text, and a search for web sites.